Select Menu
» » » Um Deus que pode ser real no universo científico - Parte 2
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Há algo no Universo que possa ser chamado de "Deus"?
Não há nenhum único significado para a palavra "Deus". A ideia de Deus e deuses foi evoluindo e transmutando-se muitas vezes ao passar de milênios, e ainda não acabou.
Todas as ideias tradicionais sobre Deus são comprovadamente insuficientes para o nosso tempo. Elas perpetuam conflitos ou deixam de inspirar suficiente para enfrentar os desafios existenciais do nosso mundo complexo e perigoso.
A autora Nancy Ellen fez a seguinte analogia:
As formigas são criaturas muito simples. Podem reconhecem uma dúzia ou mais de tipos de feromônios (moléculas de odor) e podem sentir onde esses feromônios estão mais intensos. Elas também podem captar a diferença entre duas formigas em um minuto em um conjunto de 200 formigas. Essa é a extensão de suas habilidades de comunicação individual. Mas se observamos 10.000 delas em uma colônia, uma lógica de "enxame" surgiu. colônia vai continuamente ajustando-se de acordo com o número de formigas procurando comida, baseadas no número de bocas para alimentar, no quanto de comida é armazenada já no ninho, na comida que está disponível nas proximidades, e se outras colônias estão também competindo essa comida. No entanto, nenhuma formiga entende nada disso.
A colônia pode projetar uma construção de um formigueiro tão alta quanto um homem e tão movimentada quanto uma cidade, no entanto, mesmo assim, ninguém está no comando. Alguns montes de formigas podem durar um século. Sobre sua vida, a colônia vai passar por fases previsíveis de desenvolvimento, desde a juventude agressiva à maturidade conservadora, até a morte.  Nenhuma formiga vive mais do que uma pequena fração desse tempo. Mas o que está acontecendo? De onde vem a lógica do enxame?
Isto Emerge da complexidade das interações entre as formigas. Uma colônia de formigas é  auto-organizável. A emergência é um conceito científico que atravessa muitos campos — na verdade, isso acontece em toda a evolução. Desde a formação de galáxias, a evolução da vida, o dobramento de proteínas para o crescimento das cidades, a ruptura do clima global, até o urgimento que cria a totalidade de novos fenômenos de interações das coisas mais simples.
Quase tudo o que nós humanos fazemos coletivamente gera um fenômeno emergente. Então, por exemplo, a troca de cosias entre pessoas levaram à economia global, um fenômeno emergente tão complicado e imprevisível, que não só ninguém sabe as regras, quanto alguns profissionais ainda não entraram em concordância sobre o  que essas tais  regras devem ser. O interminável esforço para levar as pessoas a se comportar decentemente em relação as outras gerou os governosNosso desejo inato de fofocas tem gerado a mídiaAs economias, os governos e os meios de comunicação são todos os fenômenos emergentes — como uma colônia de formigas. Eles seguem regras novas e complicadas que muitas vezes não podem ser derivadas do comportamento das partes que os compõem. Eles são reais e têm imenso poder sobre nós, mas eles não são humanos ou humanoides, mesmo que eles surjam de atividades humanas.
Mas nós, seres humanos não somos apenas os comerciantes, moralizadores e fofoqueiros. Abaixo desses comportamentos, tão profunda que distingue-dos outros primatas, está isso: nossas ambições. Ambicionamos coisas diferentes, mas todos ambicionamos. Nossas aspirações são tão reais quanto nós. Elas não são a mesma coisa que os desejos, como comida, sexo e segurança. Cada animal tem esses desejos de instinto. Ambições vão além das necessidades de sobrevivência. Nossas ambições são as que formam cada um de nós seres humanos e o indivíduo que somos. Sem aspirações, nós não somos nada além de carne com hábitos. Nós, seres humanos somos a espécie ambiciosa e podemos ter sido por centenas de milhares de anos.
Algo novo tem  emergido a partir da complexidade de escalonamento das aspirações de toda a humanidade, interagindo-nos. O que é esta coisa - esse fenômeno emergente, que é alimentado por e também alimenta as aspirações e ambições de cada ser humano? Isto não existia antes dos seres humanos evoluírem, mas agora está aqui, e cada um de nós está diretamente ligado a ela, simplesmente é um virtude do ser humano ter aspirações. Ele não criou o universo, mas criou o significado do universo, que é o que importa para nós. Ou seja, universo, espírito, Deus, criação e todos os outros conceitos abstratos que tomaram forma ao longo de inúmeras gerações, a medida que pessoas compartilharam suas ambições para compreender e expressar o que pode estar além do mundo visível. Este fenômeno emergente criou o poder de todas as nossas palavras e idéias, incluindo ideais como verdade, justiça e liberdade, que levaram milênios para esclarecer na prática, e que nenhum indivíduo jamais poderia ter inventado ou mesmo imaginado sem uma rica história cultural que tornou essa ideia possível.
Este fenômeno infinitamente complexo, que surgiu e continua a emergir de instante a instante, crescendo exponencialmente e mudando de forma com precisão, pode se dizer que existe no universo modernoÉ tão real quanto a economia, tão real quanto o governo. Não importa se você é Hindu ou cristão ou judeu ou ateu ou agnóstico, porque eu não estou propondo uma ideia alternativa religiosa. Estou explicando um fenômeno emergente que realmente existe em nossa imagem científica da realidade.Você não tem de chamá-lo de Deus, mas ele é real. E quando você procurar por um nome para isso, pode ser a única coisa que existe no universo moderno que pode ser digna de ser chamada de "Deus".
Nós, seres humanos estamos entrando numa era de enorme perigo. Caos e injustiça que inevitavelmente acompanhará o mudança global do clima e agora nós seres humanos não temos muito nos unido para enfrentar isso. Nossa espécie precisa todas as vantagem que possivelmente possa oferecer e paz entre a ciência e Deus, a paz entre a razão e o espírito, certamente seria vantajoso. Para milhões de pessoas racionais pensativas, não ter uma maneira de desenhar na sua força espiritual é uma tragédia.
A ideia de um Deus emergente desencadeia tantos tabus para os ateus como para os crentes. O fato é que Deus ainda é um conceito que não é falseável (a ciência ainda não pode colocá-lo a prova de testes falsos para que se torne um conceito real, científico) e o objetivo da ciência não é provar  a existência ou inexistência de Deus, não é do nosso feitio. Embora só reste para algumas pessoas a liberdade de expressão de escolher ou não alguma religião ou algum "Deus" que possa comandar a sua vida. As pessoas podem muito bem tentarem experimentar a experiência divina em suas vidas, assim como um cientistas que prova suas hipóteses por uma longa vida e só no final descobrir suas implicações, embora isso possa ser um placebo religioso. O fato é que a ciência vai continuar sem Deus ou com Deus, e as pessoas também tem a liberdade para tal. Cada uma, a ciência a religião, podem viver sem conflitos, desde que seus objetivos filosóficos não entrem em conflito. Talvez em um futuro próximo uma delas possa se fortalecer em relação a outra, mas eu já tenho a minha aposta certa.  Se há algo no Universo que possa ser chamado de Deus, ainda não podemos saber. Até lá, continuaremos pensando.
Texto adaptado da autora Nancy Ellen Abram, do original: npr.org
Veja a parte 1 aqui.

......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter