Select Menu
» » » » » » » Gelo exposto detectado na superfície do cometa
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Usando a câmera de alta resolução a bordo da nave espacial Rosetta da ESA, os cientistas identificaram mais de cem porções de água congelada, a poucos metros da superfície do cometa 67 P/Churyumov-Gerasimenko.

Rosetta chegou ao cometa, em agosto de 2014, a uma distância de cerca de 100 km e eventualmente orbitou o cometa, a 10 km ou menos, permitindo imagens de alta resolução da superfície.

Um novo estudo recém-publicado no jornal astronomia & astrofísica centra-se na análise de manchas brilhantes de gelo expostas na superfície do cometa.

Baseado nas observações do gás emergindo de cometas, elas são conhecidos por serem ricas em gelo. A medida que se aproxima do sol ao longo de suas órbitas, suas superfícies são aquecidas e o gelo sublimado do gás arrasta as partículas de poeira incorporadas no gelo para formar a coma e a cauda.

Mas um pouco de poeira do cometa também permanece na superfície, a medida que o gelo abaixo sublima-se, ou cai de volta para o núcleo noutros locais, revestindo-o com uma fina camada de material empoeirado e deixando muito pouco gelo diretamente exposto na superfície. 

Apesar disso, os instrumentos da Rosetta já detectaram uma variedade de gases, incluindo vapor de água, dióxido de carbono e monóxido de carbono, que se originam de reservatórios congelados abaixo da superfície.

Agora, usando imagens tiradas com a câmera de ângulo estreito de Rosetta, a OSIRIS, em setembro passado, os cientistas identificaram 120 regiões na superfície do cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko que são até dez vezes mais brilhantes do que o brilho médio de superfície. 


Os aglomerados de características brilhantes, compreendendo pedras com algumas dezenas de metros de tamanho espalhadas por várias dezenas de metros, são tipicamente encontrados em campos de detritos na base dos penhascos. Eles são provavelmente o resultado de erosão recente ou colapso da parede do penhasco revelando material mais fresco por baixo da superfície coberta de poeira.

Por outro lado, alguns dos objetos brilhantes isolados são encontradas em regiões sem qualquer relação aparente com o terreno circundante. Acredita-se que eles surgiram em outro lugar no cometa durante um período de atividade cometária, mas com velocidade suficiente para escapar da gravidade do cometa. 

Em todos os casos, no entanto, as manchas brilhantes foram encontradas em áreas que recebem relativamente pouca energia solar, tais como a sombra de um penhasco, e nenhuma mudança significativa foi observada entre imagens tiradas durante um período de cerca de um mês. Além disso, foram encontrados para ser mais azul na cor em comprimentos de onda visíveis em comparação com o fundo vermelho, consistente com um componente gelado.

A equipe também voltou-se para experimentos de laboratório que testaram o comportamento de gelo misturado com minerais diferentes sob iluminação solar simulada para ganhar mais insights sobre o processo. Eles descobriram que após algumas horas de sublimação, um manto de poeira negra com alguns milímetros de espessura foi formado. Em alguns lugares este escondeu completamente quaisquer vestígios abaixo do gelo, mas ocasionalmente grãos de poeira ou pedaços maiores levantam-se da superfície e se movem em outra parte, expondo manchas brilhantes de gelo de água.

Outra idéia é que, mesmo em distâncias relativamente grandes do Sol, o dióxido de carbono e o monóxido de carbono podem ejetar 

os blocos de gelo. Neste cenário, presume-se que a temperatura não foi ainda suficientemente elevada para a sublimação de água, de tal modo que o gelo-água rico em componentes expostos sobrevivem mais do que qualquer dióxido de carbono ou monóxido de carbono gelados.

"À medida que o cometa continua a se aproximar do periélio, aumenta a iluminação solar e, as manchas brilhantes que estiveram uma vez na sombra, devem causar mudanças em sua aparência, e podemos esperar para ver novas regiões e até mesmo grandes gelos expostos ", disse Matt Taylor, cientista do projeto Rosetta, da ESA.

"Combinando observações feitas pela OSIRIS pré e pós-periélio com outros instrumentos, irá nos fornecer informações valiosas sobre o que impulsiona a formação e evolução de tais regiões."

Traduzido e adaptado de Space.com

......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter