Select Menu
» » » » » » » Inacreditável: astrônomos descobrem cometa que contém álcool e açúcar!
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

O cometa Lovejoy fez jus ao seu nome pela descoberta de grandes quantidades de álcool etílico (o mesmo usado em nossas bebidas alcoólicas) e também uma grande quantidade de açúcar comum. A descoberta marca a primeira vez que o álcool etílico é descoberto em um cometa. Isso também adiciona a evidência de que cometas podem ser fontes de moléculas orgânicas complexas necessárias para a vida. 

"Descobrimos que o cometa Lovejoy estava liberando tanto álcool quanto de 500 garrafas de vinho, a cada segundo, durante a sua atividade de pico," disse Nicolas Biver do Observatório de Paris, França, principal autor de um livro sobre a descoberta, publicada em 23 de outubro no Science Advances. A equipe encontrou 21 diferentes moléculas orgânicas no gás do cometa, incluindo o álcool etílico e glycolaldehyde, um açúcar simples.

Os cometas são remanescentes congelados da formação do nosso sistema solar. Os cientistas estão interessados neles porque eles são relativamente intocados e, portanto, possuem pistas de como o sistema solar foi feito. A maioria orbita em zonas frígidas longe do sol. No entanto, ocasionalmente, uma perturbação gravitacional envia um cometa mais perto do sol, onde ele aquece e libera gases, permitindo que os cientistas determinem sua composição.

Cometa Lovejoy (formalmente catalogado como Q2 C/2014) foi um dos cometas mais brilhantes e mais ativos desde o cometa Hale-Bopp, em 1997. Lovejoy passou mais próximo do Sol em 30 de janeiro de 2015, quando ele estava liberando água à taxa de 20 toneladas por segundo. A equipe observou a atmosfera do cometa em torno deste tempo quando era mais ativo e mais brilhante. Eles observaram um brilho de microondas no cometa usando o radiotelescópio (de quase 100 pés) de diâmetro de 30 metros no Pico Veleta nas montanhas de Sierra Nevada, da Espanha.

A luz solar energiza moléculas na atmosfera do cometa, levando-as a brilhar em frequências de microondas específica (se as microondas são visíveis, frequências diferentes seriam percebidas como cores diferentes). Cada tipo de molécula brilha em frequências específicas de assinatura, permitindo que a equipe identifiquem-na com detectores no telescópio. O equipamento avançado foi capaz de analisar uma ampla gama de frequências simultaneamente, permitindo que a equipe determine os tipos e quantidades de muitas moléculas diferentes no cometa, apesar de um período de observação curto.

Alguns pesquisadores pensam que a impactos de cometas na antiga Terra entregou um suprimento de moléculas orgânicas que poderiam ter ajudado a origem da vida.  A descoberta de moléculas orgânicas complexas em Lovejoy e outras cometas dá apoio a esta hipótese.

"O resultado definitivamente promove a ideia que os cometas carregam uma química muito complexa", disse Stefanie Milam do NASA Goddard Space Flight Center em Greenbelt, Maryland, um co-autor no artigo. "Durante o intenso bombardeio a cerca de 3,8 bilhões de anos atrás, quando muitos cometas e asteroides foram explodidos na Terra e estávamos nos nossos oceanos primordiais, a vida não começou com moléculas simples como água, monóxido de carbono e nitrogênio. Em vez disso, a vida tinha algo que era muito mais sofisticado em um nível molecular. Nós estamos encontrando moléculas com vários átomos de carbono. Então, agora você pode ver onde começam a se formar açucares, bem como mais complexos, tais como aminoácidos — os blocos de construção das proteínas — ou nucleobases, os blocos de construção do DNA. Estes podem começar a formar mais fácilmente do que com moléculas com apenas dois ou três átomos".

Em julho, a Agência Espacial Europeia informou que o Lander Philae de sua nave espacial Rosetta na órbita do cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko detectou 16 compostos orgânicos a medida que ele desceu em direção e então saltou em toda a superfície do cometa. De acordo com a agência, alguns dos compostos detectados desempenham papéis-chave na criação de nucleobases, aminoácidos e açúcares de moléculas mais simples dos "blocos de construção".

Os astrónomos pensam que os cometas preservam material a partir da nuvens antigas de gás e poeira que formaram o sistema solar. Estrelas que explodem (supernovas) e os ventos de estrelas gigantes vermelhas perto do fim de suas vidas produzem vastas nuvens de gás e poeira. Sistemas solares nascem quando ondas de choque de ventos estelares e outras supernovas próximas comprimem e concentram uma nuvem de material estelar ejectado até grupos densos de nuvens começarem a entrar em colapso sob sua própria gravidade, formando uma nova geração de estrelas e planetas.

Estas nuvens contêm inúmeros grãos de poeira. O dióxido de carbono, água e outros gases formam uma camada de gelo sobre a superfície destes grãos, assim como formam gelo nas janelas do carro durante noites frias e úmidas. Radiação em potências espaciais reações químicas neste camada de gelo produzem moléculas orgânicas complexas. Os grãos de gelo tornam-se incorporados em cometas e asteroides, alguns dos quais impactaram com planetas jovens como Terra antiga, entregaram as moléculas orgânicas contidas dentro deles.

"O próximo passo é ver se o material orgânico encontrado em cometas veio da nuvem primordial que formou o sistema solar ou se foi criado mais tarde dentro o disco protoplanetário que cercou o jovem Sol, disse Dominique Bockelée-Morvan, do Observatório de Paris, co-autor do livro.

Referência: Phys

......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter