Select Menu
» » » » » » » Cientistas reclamam de confusão nas informações compartilhadas sobre Zika/Microcefalia
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Esta semana, pesquisadores reclamaram que um estudo sobre o Zika virus usou dados lançados online sem reconhecimento adequado 


Quando pesquisadores do Brasil postaram quatro sequências de genoma do vírus Zika (transmitido pelo mosquito Aedes Aegypt,o mesmo que transmite a Dengue e a Chikungunya) no repositório on-line GenBank em 26 de Janeiro, eles estavam cumprindo com uma chamada para os cientistas para liberar abertamente seus dados durante emergências de saúde pública. Em 10 de fevereiro, a informação tinha sido usada por pesquisadores eslovenos para escrever seu próprio artigo sobre Zika no New England Journal de medicina (NEJM)1 — aparentemente, um exemplo clássico do poder do rápido e aberto compartilhamento de dados.
Mas o processo não foi totalmente correto. Oliver Pybus, um biólogo evolutivo de doenças infecciosas da Universidade de Oxford, UK, que trabalha com o grupo brasileiro, queixou-se que o artigo do NEJM não adequadamente dava créditos aos provedores de dados originais quando incluía apenas o número de adesão GenBank em seus dados. Pybus diz que ele está preocupado que essa falta de reconhecimento formal possa dissuadir outros pesquisadores a compartilharem dados durante um surto.
"O primeiro grande artigo sobre Zika vírus no New England Journal of Medicine acaba de criar exatamente o oposto incentivo para grupos no Brasil. Queremos que se sintam confiantes de que eles possam colocar seus dados on-line imediatamente sem qualquer desvantagem possível para eles", disse Pybus. Os autores do artigo do NEJM esperaram para liberar seus próprios dados, até que seu livro fosse publicado, ele observa.
Tatjana Avšič Županc, microbiologista na Universidade de Ljubljana e autora sênior do artigo do NEJM, disse que sua equipe realmente não procurou Pybus e seus colegas. "Se você depositar algo em um domínio aberto como GenBank antes de publicá-lo, você espera que as pessoas o usem," disse ela. E Pybus diz que ele recebeu um pedido de desculpas dos autores em 11 de fevereiro, depois que ele contatou-os com as suas preocupações. (Um representante para oNEJM disse a Nature que os cientistas devem resolver a disputa entre si).
Mas a disputa de crédito sugere que os cientistas ainda não estão ajustados na etiqueta necessária para o reconhecimento público dos outros.
Ligação com  microcefalia
Equipe do Županc relatou um estudo de caso de uma mulher eslovena que tinha vivido no Brasil e terminado a gravidez após uma ultra-sonografia na gestação de 29 semanas que revelou que o feto tinha microcefalia* — uma cabeça anormalmente pequena. O material genético do vírus Zika foi descoberto no tecido cerebral do feto e os pesquisadores geraram uma sequência completa do genoma.
A equipe comparou sua sequência de outras sequências do Zika em bases de dados públicas, incluindo os quatro geradas pelo colega do Pybus, Mario Nunes e sua equipe no Instituto Evandro Chagas, em Ananindeua, Pará, Brasil. (Na verdade, Pybus disse que esta análise não era necessária para ligar o Zika vírus para o caso de microcefalia; Avšič Županc diz que a análise foi adicionada durante o processo de revisão por recomendação dos editores do NEJM).
Pybus e equipe de Nunes tinham antes, em 1 de fevereiro, postado uma análise online dos dados para o site virological.org, no qual eles rastrearam a importação de Zika para as Américas e sua subsequente dispersão. Pybus acha que dados gerados durante a epidemia de vírus Zika são prováveis que venha de um grande número de pesquisadores e instituições, que ressalta a importância do compartilhamento de dados rápidos.
"Espero que isso não vai desencorajar as pessoas a compartilhar pré-publicação de dados. Pode tornar mais conscientes de que a partilha de dados precise ser um exercício de reciprocidade de pesquisadores", diz Andrew Rambaut, uma geneticista evolucionária da Universidade de Edimburgo, Reino Unido. "Por outro lado, não adianta em defender a liberação rápida de dados se você então não permitir que pessoas os analisem. Quanto mais olhos se voltarem para estes dados, mais conclusões importantes serão feitas. "
Situação difícil
Kristian Andersen, um geneticista de doenças infecciosas no Instituto de Pesquisa Scripps, em La Jolla, Califórnia, diz que o incidente destaca "uma falha no sistema" de utilizar dados públicos que ainda foram publicados corretamente. 
"É uma situação difícil, e nosso campo precisa descobrir uma maneira de dar o melhor crédito para os produtores de dados para que esses dados possam ser compartilhados livremente e sem limitações," ele diz.
Andersen e seus colegas divulgaram dados do genoma do vírus Ebola durante a epidemia na África Ocidental e incluíram uma nota pedindo que os cientistas que desejassem usar os dados para publicação teriam que contatá-los primeiro. Como resultado, a maioria dos cientistas que usaram seus dados entraram em contato com eles.
Avšič Županc diz que deveria haver mais claras normas sobre como usar dados inéditos de outra equipe como se fossem públicos, especialmente para os pesquisadores em campos com expectativas diferentes sobre a partilha de dados.
O incidente vem imediatamente depois que dezenas de financiadores, órgãos públicos e revistas — incluindo o NEJM — divulgou um comunicado em 10 de fevereiro , apoiando dados abertos partilha durante emergências de saúde pública, como as epidemias Zika e Ebola. Revistas que assinaram a declaração concordaram em fazer o conteúdo livremente disponível sobre Zika e afirma que o lançamento de dados ou análise on-line muito cedo vão pôr em risco as chances dos investigadores da publicação em revistas mais tarde.
Traduzido e adaptado de Nature: doi:10.1038/nature.2016.19367
* Na versão original deste artigo, a mulher grávida na verdade era brasileira e não eslovena - NT. 
Referências:
1. Mlakar, J. et alN. Engl. J. Med. http://dx.doi.org/10.1056/NEJMoa1600651 (2016).

......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter