Select Menu
» » » » » » Vida alienígena: radiação pode ter apagado fósseis de Marte e Europa
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

A busca por sinais de vida extraterrestre no sistema solar pode ser muito mais difícil do que pensavam os pesquisadores, graças aos efeitos prejudiciais da radiação.

Dois estudos independentes sugerem que a radiação galáctica teria rapidamente degradado o material biológico na superfície de Marte e no oceano da lua Europa, em Júpiter, dois dos alvos privilegiados na busca de vida extraterrestre passada ou presente.

Objetos do sistema solar são banhados em radiação Solar. Mas as maiores doses são provenientes de raios cósmicos galácticos (GCRs), que fluem em de fontes distantes como estrelas a explodir. 

A espessa atmosfera protege a vida aqui dos efeitos prejudiciais de GCRs. Mas a vida em outros mundos não acontece por pura sorte; o moderno Marte tem uma atmosfera fina, por exemplo, e Europa praticamente não possui atmosfera. Os dois mundos, portanto, são bombardeados por altos níveis de radiação, que podem significar desgraça para quaisquer fósseis que podem ter existido uma vez nas superfícies dos mundos.

Destruição rápida fósseis em Marte

Marte é o mundo mais parecido com a Terra no sistema solar. Os cientistas pensam que Marte uma vez abrigou um grande oceano de água líquida e o perdeu, junto com a sua atmosfera, há bilhões de anos.

Enquanto os cientistas consideram que é improvável a vida existir na superfície de Marte hoje, muitos pesquisadores esperam encontrar provas que a vida em Marte existiu no passado. Esta prova viria na forma de microrganismos fossilizados ou moléculas biológicas, tais como aminoácidos, os blocos de construção das proteínas.

Para testar essas hipóteses, Alexander Pavlov, um cientista planetário Goddard Space Flight Center da NASA, em Maryland e seus colegas usaram doses de radiação em aminoácidos semelhantes àqueles que poderiam ter existido na superfície marciana.

Estudos anteriores encontraram evidências de que aminoácidos sobreviveriam até 1 bilhão anos sob condições marcianas. No entanto, o time de Pavlov misturou os aminoácidos com material rochoso semelhante ao encontrado em Marte. Os pesquisadores descobriram que os aminoácidos seriam degradados pela radiação em apenas 50 milhões de anos.

"Mais de 80 por cento dos aminoácidos são destruídos com dosagens de 1 megagray, que é equivalente a 20 milhões de anos," Pavlov disse em março, durante uma apresentação na 47ª conferência de ciência planetária em The Woodlands, Texas. "Se nós temos que usar biomarcadores antigos, será um problema muito grande." 

Os cientistas então combinando a amostra de superfície com água para simular regiões historicamente molhadas em Marte; Estes são os lugares considerados mais favoráveis à vida. A água acelerou a degradação de biomarcadores, destruindo alguns em até 500 mil anos e tudo dentro de 10 milhões de anos.

As chances de encontrar sinais de vida em minerais hidratados perto da superfície marciana, portanto, não são grandes, disseram os pesquisadores.

Temperaturas frias retardam o processo de degradação, mas não o suficiente para preservação a longo prazo, disseram os cientistas. O material durou não mais que 100 milhões anos quando expostos aos níveis marcianos de GRC.

Escavação profunda

Esses achados podem ser má notícia para as missões que o planejam procurar sinais de vida antiga na superfície marciana, disseram os pesquisadores.

"É extremamente improvável encontrar moléculas de aminoácidos primitivos acima de 1 metro [3,3 pés] da crosta, devido aos raios cósmicos", disse Pavlov. "Seria fundamental para fornecer missões com 2 metros de capacidades de perfuração, ou escolher um desembarque pontos turísticos que recentemente foram expostos a rochas."

Essas rochas teriam sido chutadas debaixo da superfície por impactos de asteroides ou cometas dentro dos últimos 10 milhões de anos, disse ele.

Em 2020, a Agência Espacial Europeia e a Rússia planejam lançar uma missão de caça à vida em Marte que pode aprofundar até 2 metros. A missão será a segunda fase da ExoMars; a primeira fase, que consiste de um orbitador e um demonstrador de aterragem, foi lançada em março.

Pavlov e o rover da ExoMars  devem ser capazes de chegar a locais no qual os danos da radiação são mitigados, mas não completamente ausentes, disse.

Uma lua gelada é quente o suficiente?

A Lua de Júpiter Europa é considerada um dos melhores lugares para procurar vida fora da terra. Um oceano global que espirra sob uma casca gelada da lua, alimentado pelos emissários que possivelmente poderiam gerar a energia necessária para a vida evoluir.

A NASA pretende lançar uma missão de sobrevoo para Europa na 2020, e a agência está considerando adicionar um módulo para a missão também.

O escudo de gelo da Europa tem alguns quilômetros de espessura, em média, um módulo de pouso não seria capaz de perfurar o gelo (exceto talvez em alguns pontos selecionados). Mas sinais de vida Europanianos (estou inventando esse termo agora, se tiverem uma sugestão melhor...) se existirem, poderão levantar-se do oceano para a superfície.

Com efeito, a lua Europa tem uma protuberâncias avermelhadas na superfície que foram identificados como sais, que provavelmente vieram de baixo. Os cientistas têm também tentativamente identificado, mas não confirmado, plumas, como aquelas encontradas na lua de Saturno Enceladus, que poderia atirar material rico — e, possivelmente, sinais de vida — das águas do oceano à superfície.

Como Pavlov, Luis Teodoro, cientista planetário da NASA Ames Research Center, na Califórnia, estava preocupado com a radiação GCR, e como as dosagens poderiam afetar a caça à vida. Mas Teodoro focou na Europa, não em Marte.

Simulando as condições na Europa, Teodoro descobriu que as dosagens de GCR da lua eram comparáveis as do planeta vermelho.

"A radiação vai desempenhar um papel importante na Europa nos primeiros poucos metros — na verdade, ouso dizer, dezenas de metros — da superfície de Europa," disse Teodoro na mesma conferência.

Ele disse que suas simulações sugerem que os micróbios resistentes "extremófilos" encontrados em alguns dos mais severos ambientes da Terra não sobreviveriam mais de 150.000 anos acima de 3,3 pés (1m) da crosta gelada de Europa. Biomarcadores orgânicos enterrados dentro 3,3 pés da superfície iriam durar apenas 1 a 2 milhões de anos, disse ele.

"Se queremos colocar uma lander na superfície de Europa para verificar se a vida existe lá, nós provavelmente vão ver algo destruído —  materiais desconfigurados, principalmente de produtos orgânicos — desta enorme dose de radiação," disse ele.

Há esperança, no entanto, que os depósitos de superfície de gelo fresco ainda poderiam conter biomarcadores que cientistas poderiam identificar como a vida. Então é importante determinar se a Europa realmente jorrou as plumas, trazendo o material fresco para a superfície, disse Teodoro.

Europa também é exposta a outra fonte de radiação que a terra e Marte evitam: a radiação de Júpiter. Teodoro disse que planeja incluir os efeitos de Júpiter em modelos futuros.

Por agora, no entanto, sua pesquisa parece sugerir que a caça de vida existente ou fósseis na lua gelada podem permanecer um desafio. 

"Talvez isso isso nos indique que a vida não existe na superfície," ele disse, expressando a sua esperança de que evidências de organismos extraterrestres em vez disso encontra-se abaixo do gelo.

Traduzido e adaptado de Space.com

......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter