Select Menu
» » » » Um triste fato do progresso: um terço da humanidade não consegue mais ver a Via Láctea
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga



Nas últimas décadas, com o avanço da população mundial e a descoberta da eletricidade, veio também a necessidade de esticar a luz solar para mais algumas horas do dia. Além do progresso, isso também nos escondeu algo primordial e belo: a via-láctea. A iluminação das grandes cidades poluiu nossos céus visualmente, escondendo da humanidade atual a beleza natural das estrelas e o encanto da astronomia observacional, a primeira ciência. 

A Via Láctea, o brilhante rio de estrelas que tem dominado o céu noturno e a imaginação humana desde tempos imemoriais, está se tornando apenas uma memória distante para um terço da humanidade e 80 por cento dos norte-americanos, de acordo com um novo atlas globais de poluição luminosa produzida pelo italiano e cientistas americanos.

A poluição luminosa é uma das formas mais universais da alteração ambiental. Em países mais desenvolvidos, a presença ubíqua de luzes artificiais cria uma névoa luminosa que inunda as estrelas e constelações do céu noturno .

"Temos gerações inteiras de pessoas nos Estados Unidos que nunca viram a Via Láctea", disse Chris Elvidge, um cientista do NOAA National Centers for Environmental Information em Boulder, no Colorado. "É uma grande parte da nossa conexão com o Cosmos e que tem sido perdida."

Elvidge, junto com Kimberly Baugh do Instituto Cooperativo de Pesquisa em Ciências Ambientais da Universidade de Colorado, faz parte de uma equipe que acaba de atualizar um atlas global de poluição luminosa publicado hoje na revista Science Advances. Usando dados de satélite de alta resolução e medições de brilho do céu, seu estudo produziu uma avaliação mais precisa ainda do impacto global da poluição luminosa.

"Espero que este atlas vá finalmente abrir os olhos das pessoas para a poluição luminosa", disse o principal autor Fabio Falchi do Instituto poluição luminosa Ciência e Tecnologia na Itália.

O atlas aproveita imagens com pouca luz agora disponíveis a partir do satélite NOAA/NASA Suomi National Polar-orbiting Partnership, calibrado por milhares de observações terrestres.

A poluição luminosa é mais extensa em países como Singapura, Itália e Coreia do Sul, enquanto o Canadá e a Austrália tem um céu mais escuro. Na Europa Ocidental, apenas pequenas áreas de céu noturno permanecem relativamente inalteradas, principalmente na Escócia, Suécia e Noruega. Apesar dos vastos espaços abertos do oeste americano, quase metade dos os EUA passa noites com poluição luminosa.


Poluição luminosa apaga a Via Láctea para oito em cada 10 americanos. Áreas brilhantes neste mapa mostram onde o céu brilha em borrões de iluminação artificial fora as estrelas e constelações. Uma equipe internacional de pesquisadores lançou o novo  Atlas Mundial do Brilho Artificial do Céu, em um artigo publicado na Science Advances hoje. Créditos: Falchi et al, Science Advances; Jakob Grothe / Serviço Nacional de Parques, Matthew Price / CIRES / CU-Boulder.

"Nos EUA, alguns dos nossos parques nacionais são apenas sobre o último refúgio da escuridão - lugares como Yellowstone e do sudoeste do deserto," disse o co-autor Dan Duriscoe do Serviço Nacional de Parques. "Temos sorte de ter um monte de terra pública que fornece um buffet de grandes cidades."

poluição luminosa faz mais do que os seres humanos roubem a oportunidade de refletir sobre o céu noturno, sobre nossas origens e sobre o cosmos, como os nossos antepassados fizeram. Além disso, a luz não natural pode confundir ou expor animais selvagens, como insetos, pássaros e tartarugas marinhas, com consequências muitas vezes fatais.

Felizmente, a poluição luminosa pode ser controlada por blindagem de luzes para limitar brilho na área imediata, reduzindo a iluminação para o valor mínimo necessário, ou simplesmente desligá-las.

O novo atlas mundial de brilho de céu noturno artificial, Science Advance. DOI: 10.1126 / sciadv.1600377

Traduzido e adaptado de Phys

......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter