Select Menu
» » » » Um enigma de bilhões de anos
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga










Um dos mais notáveis sucessos da astrofísica no século passado foi sua descoberta que a idade do universo, como medida por suas estrelas mais antigas era aproximadamente a mesma que a idade estimada em uma maneira inteiramente diferente, desde a recessão das galáxias.

Ambas as medidas vieram surpreendentemente com longos períodos — bilhões de anos — fornecendo confirmação tranquilizadora que ambos estavam, provavelmente, no caminho certo. Mas os dois valores não eram idênticos e os cientistas muito rapidamente perceberam uma grande discrepância: as estrelas mais antigas eram mais velhas do que o próprio universo. Refinamentos para as medições e os modelos para resolver esta contradição estavam em andamento até 1998 quando a aceleração cósmica foi descoberta. Ela provou, em uma única varredura, que o universo era na verdade muito mais velho que tinha sido pensado e em particular era mais velho que as estrelas mais antigas.






Mas havia uma charada na descoberta: O movimento do universo é regido pela matéria, cuja gravidade tende a desacelerar a expansão, e por outra força que a acelerava.  Uma vez que a densidade média de matéria no universo constantemente cai com a ondulações do universo, com o tempo ele tem um valor cada vez menorCuriosamente, hoje acontece que ele têm quase exatamente o mesmo valor (quando expressos nas mesmas unidades) como o parâmetro de aceleração. Por que? Também havia um segundo enigma: O tamanho teórico do parâmetro de aceleração pode ser quase qualquer coisa; com efeito,  sugerem que ele deve ser vastamente maior do que é. O porquê de quão pequeno ele é quando medimos é um mistério.
Astrônomos do CfA, Arturo Avelino e Bob Kirshner, acabam de publicar uma artigo chamando a atenção para mais uma enigma. O universo não se expande a uma taxa constante que era a combinação destes dois factores. Nos primeiros anos de 9 bilhões de evolução cósmica, a contração dominou e o universo diminuiu gradualmente a sua expansão. A importância relativa da aceleração cósmica cresce com o tempo, no entanto, nos últimos 5 bilhões de anos, a aceleração tem dominado e o universo tem acelerado a sua expansão. Curiosamente, porém, hoje o universo se parece da mesma forma que teria se sempre tivesse se expandindo continuamente a uma taxa constante (a taxa necessária para evitar a re-colapso final).
Embora pareça um pouco semelhante do enigma original, os autores descrevem porque este quebra-cabeça novo é realmente diferente: estamos vivendo uma época privilegiada; (aparentemente) os outros quebra-cabeças não têm esta implicação. As explicações para estes enigmas ainda não são conhecidas. Se existem alguns novos e espectíficos tipos de partículas elementares, os cientistas sugerem, elas poderiam fornecer a resposta, mas por enquanto a única coisa que é certa é que uma investigação mais observacional é necessária.
Saiba mais:

The Dimensionless Age of the Universe: a Riddle for Our Time," A. Avelino and R. Kirshner, ApJ 828, 35, 2016. adsabs.harvard.edu.ezp-prod1.hul.harvard.edu/abs/2016ApJ...828...35A 


......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter