Select Menu
» » » » » » » Telescópio Espacial James Webb está (quase) completo
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

A Nasa e seus parceiros internacionais vão passar os próximos dois anos realizando testes e anexando o observatório no ônibus de suporte e o lançador do JWST.

Vinte anos após o trabalho começar no Telescópio Espacial James Webb (JWST), os gerentes da NASA comemoraram a sua conclusão no Goddard Space Flight Center em Greenbelt, Maryland, em 3 de Novembro. Agora, os pesquisadores devem conduzir uma série de testes para provar que o JWST pode sobreviver ao lançamento e que seus espelhos irão focar adequadamente a temperaturas quase próximas ao zero absoluto. O telescópio será, então, acoplado ao ônibus que levava a matriz solar, o protetor solar, e as comunicações e componentes de armazenamento de dados. A montagem será transportada para a Guiana Francesa para uma data de lançamento por volta de outubro 2018.

Com um espelho primário, que é sete vezes o tamanho do espelho do telescópio espacial Hubble, JWST deverá ser capaz de sondar a composição química das atmosferas de exoplanetas e observar o nascimento de estrelas e planetas.




Originalmente orçado em $1,6 bilhão e programado para lançamento em 2011, JWST chegou perto de ser finalizado no Congresso em 2011, devido a excesso de custos. Recentemente, no entanto, o administrador da NASA, Charles Bolden, disse que está "muito confiante" de que o telescópio agora permanecerá dentro de seu novo perfil de custo, limitado a US $ 8 bilhões, e ficar dentro do cronograma. O custo total do projeto, incluindo cinco anos de funcionamento, é estimado em $ 8,7 bilhões. O telescópio vai levar combustível suficiente para ficar em órbita por pelo menos 10 anos e, possivelmente, 12, diz Bill Ochs, gerente de do JWST.

O telescópio, incluindo seus quatro instrumentos de imagem e de orientação, serão agora submetidos a testes de acústica e vibração em Goddard, onde foi construído. Ele será, então, transportado para o Johnson Space Center em Houston, Texas, para um teste criogênico, e, em seguida, para uma instalação de Northrop Grumman em Los Angeles, onde o ônibus está sendo montado. O foguete Ariane 5 na Agência Espacial Europeia (ESA) levará  o JWST para o espaço.

O espelho primário é composto por 18 segmentos hexagonais que se desdobram e se ajustam para moldar após o lançamento. O espelho é feito de berílio e revestido com um total de três onças de ouro, que é ultra-sensível à luz IR na qual o telescópio foi construído para observar. Cada segmento espelho é tão suave que, se fosse redimensionado para o tamanho do continente norte-americano, os picos mais altos da montanha subiriam apenas duas polegadas.

Ao contrário do Hubble, que foi atendido cinco vezes ao longo de 26 anos, JWST não foi projetado para ser reparado no espaço. O telescópio será colocado em órbita em torno do ponto 2 (L2) de Lagrange, que está cerca de 1,5 milhões de km da Terra; o Hubble está em órbita baixa da Terra. Por estar orbitando o Sol a L2, JWST pode ficar em constante contato com a Terra através da Deep Space Network da NASA, e seus painéis solares poderão gerar energia de forma contínua. Para evitar as emissões de IR que reduziriam a qualidade das imagens, JWST tem um protetor solar do tamanho de uma quadra de tênis que irá manter a temperatura ambiente do telescópio em cerca de 50 K.

O telescópio é tão sensível que "se você fosse uma abelha a uma distância da Lua, ele seria capaz de vê-lo tanto pelo seu reflexo da luz solar e pela radiação térmica que você emite", disse o ganhador do Nobel John Mather, o cientista sênior do telescópio. Dois dos quatro instrumentos do JWST, um espectrógrafo em infravermelho próximo e um instrumento de IR, foram construídos principalmente pela ESA. A câmera do IR foi construída pela Universidade do Arizona, e o Fine Guidance Sensor/Near-Infrared Imager e Slitless Spectrograph foram fornecidos pela Agência Espacial Canadense.

O Transiting Exoplanet Survey Satellite (Satélite de levantamenteo de transito de exoplanetas) previsto para lançamento em dezembro de 2017, vai catalogar pequenos exoplanetas, que poderiam fornecer metas para JWST examinar se há sinais de vida, tais como vapor de água. JWST também será testado em planetas anões no sistema solar.


Desenvolvedores de instrumentos do telescópio são garantidos primeira rachadura no tempo de observação, juntamente com alguns "cientistas interdisciplinares que têm importantes amplos programas de ciência genéricos", disse Gerard Kriss do Space Telescope Science Institute, e do centro de controle de solo do JSWT.  O STScI começará solicitando essas propostas em janeiro. Também na fila estão as  "primeiras observações de lançamento", que, segundo ele, são "o tipo de imagens que servirão para mostrar que temos um observatório funcional e prometem  serem lindas."

......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter