Select Menu

_______________

_______________
_______________
» » » » » Quando a Terra tornou-se um "grão de poeira '
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

A Terra, vista suspensa em um raio de luz, distante 6,4 bilhões de km. NASA/JPL

O primeiro vislumbre da curvatura da Terra foi em 1946, através de um foguete alemão V-2 reaproveitado que voou 65 milhas acima da superfície. Ano a ano, subimos um pouco mais alto, projetando um meio para compreender a magnitude da nossa casa. 

Em 1968, o piloto do módulo lunar da Apollo 8, William Anders, capturou a foto icônica Earthrise. Contemplamos a beleza da nossa casa. 

Mas no Dia dos Namorados, há 27 anos, a Voyager 1, a uma distância de 6,4 bilhões de Km, fez uma imagem final antes de desligar sua câmera de sempre. Na imagem, a Terra, como Carl Sagan disse, era apenas "um grão de poeira suspenso num raio de Sol." Então, nós ponderamos a insignificância da nossa casa. A imagem inspirou Sagan para escrever seu livro "The Pale Blue Dot", "O Pálido Ponto Azul" e continua a paralisar a grandiosidade humana.


NASA

Planejando

As naves gêmeas, Voyager 1 e 2,  foram lançadas no intervalo de alguns dias entre uma e outra e enviadas em missões complementares para o levantamento dos gigantes gasosos ultraperiféricos. Sagan foi um membro-chave nas missões Voyager, e muito antes do lançamento pediu que a Voyager 1 virasse sua câmera para capturar uma última imagem da Terra como uma parte de uma série planejada de um "Retrato de família do Sistema Solar". No entanto, a equipe não queria arriscar fritar a câmera cara do Voyager 1, girando em direção ao Sol. 

Sagan prevaleceu depois de muita deliberação e planejamento, e da Terra, é claro, fez o corte de sessão de fotos. Isso resultou nas citações memoráveis escritas por Sagan:

"Olhem de novo esse ponto. É aqui, é a nossa casa, somos nós. Nele, todos a quem ama, todos a quem conhece, qualquer um sobre quem você ouviu falar, cada ser humano que já existiu, viveram as suas vidas. O conjunto da nossa alegria e nosso sofrimento, milhares de religiões, ideologias e doutrinas econômicas confiantes, cada caçador e coletor, cada herói e covarde, cada criador e destruidor da civilização, cada rei e camponês, cada jovem casal de namorados, cada mãe e pai, criança cheia de esperança, inventor e explorador, cada professor de ética, cada político corrupto, cada "superestrela", cada "líder supremo", cada santo e pecador na história da nossa espécie viveu ali - em um grão de pó suspenso num raio de Sol."
As missões Voyager estão entre as missões cientificamente mais bem sucedidas até à data. Juntas, eles revelaram anéis em torno de Júpiter, a atividade vulcânica na lua Io de Júpiter, os anéis de Saturno, e fotografaram Urano e Netuno, pela primeira vez. Espreitar-se para a Terra não era um objetivo científico, mas você não temos muitas oportunidades para ver o planeta a partir do ponto de observação vantajoso.

A famosa imagem "Earthrise", de 1968.

Não existem missões espaciais como o Voyager na súmula para o futuro, mas as duas naves continuam radiantes enviando dados que de 40 anos ou mais. A Voyager 1 tornou-se a primeira coisa feita pelo homem a entrar no espaço interestelar, por volta em 2012, quando passou para a heliosfera, a bolha que envolve todo o nosso sistema solar. Espera-se que a Voyager 2 perfure a heliosfera em torno de 2020. 

Novos alvos

Em 2018, o telescópio espacial mais avançado já construído, o Telescópio Espacial James Webb, alcançará mais profundamente no universo do que nunca. Sem dúvida, as imagens mais uma vez remodelaram a nossa perspectiva do que está lá fora, resolvendo mistérios e fazendo novas descobertas simultaneamente. Há um grande poder nestas fotos. 

A Imagem DA Earthrise ajudou a alavancar o primeiro movimento ambiental, consolidando a ideia de que nosso planeta é vulnerável. Ver a Terra como um todo, em parte obscurecida na sombra, cimentou o conceito de "Espaçonave Earth" transmitido pela economista britânica Barbara Ward-Jackson. Para ela, a Terra era como uma nave espacial flutuando pelo espaço com recursos finitos, e era preciso que a "tripulação" da Terra para a gerenciasse com cuidado. 

Apenas algumas pessoas vão contemplar a Terra em sua totalidade; o resto vai ter que confiar em imagens de segunda mão.

Existem provavelmente muitas razões pelas quais Carl Sagan tanto lutou para fazer a foto, e, certamente, uma delas era o desejo de olhar a realidade de frente, para nos ajudar a compreender o incompreensível. Há muito em jogo no mundo agora, especialmente para a ciência. Então, mesmo que um dia nós deixemos de amar uns aos outros ou até mesmo descuidarmos de vez de nosso planeta, lembre-se que este pequeno grão de poeira azul é tudo que temos.
Este post foi publicado originalmente no Discovery

. . . ......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter