Select Menu
» » » » Multiverso: astrônomos encontraram evidências de universos paralelos?
«
Proxima
Este é o post mais recente.
»
Anterior
Postagem mais antiga

O Multiverso é um cosmos em que existem múltiplos universos. E quando digo múltiplos, quero dizer um número infinito. Estes domínios incontáveis acomodam-se lado a lado em dimensões superiores que os sentidos são incapazes de perceber diretamente.

No entanto, os astrônomos e cosmólogos cada vez mais parecem estar invocando o multiverso para explicar observações intrigantes.
As apostas são altas. Cada universo alternativo carrega sua própria versão diferente da realidade. Haverá um onde você escreveu esta coluna e eu estou lendo-a; há outra versão em que o Brasil é o país menos corrupto do mundo; e até mesmo um estranho universo em que Donald Trump usa o Twitter para espalhar nada além de vídeos divertidos de gatinhos.
Parece maluco, mas o último pedaço de evidência que poderia favorecer um multiverso vem da Royal Astronomical Society. Eles recentemente publicaram um estudo sobre o chamado 'ponto frio', um pedaço particularmente legal do espaço visto na radiação produzida pela formação do Universo a mais de 13 bilhões de anos atrás.



O ponto frio foi vislumbrado pela primeira vez pelo satélite WMAP da NASA em 2004, e depois confirmado pela missão Planck da ESA em 2013. E ele é extremamente intrigante. A maioria dos astrônomos e cosmólogos acreditam que é altamente improvável que tenha sido produzido pelo nascimento do universo uma vez que é matematicamente difícil a teoria - que é chamada de inflação - explicar.

Este último estudo afirma descartar uma explicação prosaica de última hora: que o ponto frio é uma ilusão óptica produzida por uma falta de galáxias intervenientes.
Um dos autores do estudo, o professor Tom Shanks, da Universidade de Durham, disse o RAS, “Nós não podemos inteiramente descartam que o local é causado por uma flutuação improvável explicada pelo modelo padrão [teoria do Big Bang]. Mas se isso não é a resposta, então há explicações mais exóticas. Talvez a mais emocionante delas é que o ponto frio foi causado por uma colisão entre o nosso universo e um outro universo bolha. Se uma análise mais detalhada revelar que este seja o caso, então o ponto frio pode ser tomada como a primeira evidência para o multiverso“.
Um objetivo recente da física tem sido fornecer a razão pela qual o universo ter a forma que tem. Para fazer isso ele deve explicar o motivo de existirem quantidades fundamentais e constantes no universo. Por exemplo: a velocidade da luz, a massa de um elétron, a força da interação gravitacional. Mas a ironia é que, se houver um multiverso, os cientistas terão que aceitar que o 'objetivo final da física' - se é que isto pode ser considerado um objetivo final: explicar por que o nosso universo é do jeito que é - poderia estar para sempre fora de alcance. 
Se houver um multiverso, no entanto, esta busca poderia ser condenada ao fracasso. 
Assim como há um número infinito de universos semelhantes ainda ligeiramente diferentes (como aquele em que você escreveu este artigo e não eu), também haverá um número infinito em que as leis básicas da física são diferentes.
Assim, todas as combinações possíveis da física são espalhadas por todo o multiverso. Inevitavelmente, por nada mais que seja uma sorte cega, pelo menos um terá as condições que vemos ao nosso redor hoje. 
Um dos maiores opositores da teoria do multiverso é - ironicamente - um de seus arquitetos originais. Paul Steinhardt, da Universidade Princeton, ajudou a desenvolver a inflação, a teoria da origem do nosso universo. Segundo ele, uma vez um universo começa a se formar, a inflação lhe dá condições para se multiplicar ad infinitum .
No entanto, Steinhardt se voltou contra sua própria teoria.



Em 2014, ele disse a revista Scientific American: “Nosso universo observável seria apenas uma possibilidade fora de um espectro contínuo de resultados. Então, nós não explicamos qualquer característica do universo através da introdução da inflação cósmica depois de tudo. Temos apenas deslocado o problema do modelo do Big Bang original (como podemos explicar o nosso universo simples quando existe uma variedade quase infinita de possibilidades que poderiam surgir a partir do big bang?) Para o modelo inflacionário (como podemos explicar o nosso universo simples quando há uma variedade quase infinita de possibilidades que podem surgir em um multiverso?) “.
Sob este ponto de vista, um multiverso não soa atraente. Ele iria cortar até o coração da física propósital. A natureza, é claro, não se preocupa com isso. Talvez o cosmos é realmente assim e só temos de aceitá-lo. Certamente, há muitos que estão dispostos a defender o multiverso como uma direção válida para o pensamento.
Confortavelmente, se nós vivemos em um multiverso, podemos ter a certeza de que em algum lugar lá fora, existe uma versão alternativa de você e eu que já temos conseguido entender tudo isso (e ganhamos um prêmio Nobel pelo esforço).
Traduzido e adaptado de The Guardian

. . . ......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Este é o post mais recente.
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter