Select Menu
» » » Astrofísicos descobrem as estrelas mais distantes da Via Láctea
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Most Distant Milky Way Stars
Esta imagem simulada demonstra  a Via Láctea pequena e distante de onde ficaria a localização de ULAS J0744 +25, cerca de 775.000 anos-luz de distância.
Crédito: Software isualization: Uniview pelo Data SCISS: SOHO (ESA e NASA), John Bochanski (Haverford College) e Jackie Faherty (Museu Americano de História Natural e do Departamento de Magnetismo Terrestre, da Carnegie Institute)
Os limites da nossa galáxia poderá ser redesenhado.

Os astrônomos descobriram as estrelas mais distantes conhecidas na Via LácteaOs dois objetos - conhecidos como ULAS J0744 +25 e ULAS J0015 +01 -  estão cerca de 775 mil e 900 mil anos-luz da Terra, respectivamente, tornando-se ambos a cerca de cinco vezes mais distantes do que a galáxia satélite conhecida como a Grande Nuvem de Magalhães.

"As distâncias destas duas estrelas são grandes demais para compreendermos", disse o principal autor do estudo, John Bochanski, do Haverford College, na Pensilvânia,  em um comunicado . "Para termos uma ideia, quando a luz de ULAS J0015 +01 deixou a estrela, os nossos ancestrais humanos estavam apenas começando a fazer fogo aqui na Terra."

Vale lembrar que a Via Láctea se estende muito para além do seu disco familiar, que fica a apenas 100 mil anos-luz ou mais de largura. A galáxia encontra-se rodeada por um "halo" esparso de estrelas - talvez algumas retardatárias estejam lá, depois de muitas fusões da Via Láctea com galáxias anãs ao longo das eras, dizem os pesquisadores.

Os cientistas sabem que este halo se estende a pelo menos 500.000 anos-luz de distância, mas as suas dimensões exatas são desconhecidas. Bochanski e seus colegas decidiram investigar os confins da auréola e começaram a caça de um tipo de estrela chamada Gigante Vermelha Fria.

Gigantes Vermelhas Frias são muito mais raras do que anãs vermelhas , que compõem cerca de 70% das estrelas da Via Láctea. Mas elas são cerca de 10.000 vezes mais brilhantes, tornando-as muito mais fáceis ver de longe.

"Realmente, é como procurar uma agulha num palheiro", disse Bochanski. "Se o nosso palheiro for composto de milhões de estrelas anãs vermelhas."

A equipe se debruçou sobre as imagens recolhidas pelo Deep Sky Survey UKIRT Infrared, que usa o Telescópio Infravermelho do Reino Unido, no Havaí, e o Sloan Digital Sky Survey, que emprega um telescópio no Novo México. Eles detectaram ULAS J0744+25 e ULAS J0015 +01 nestes dados, confirmou-os e cruzou os com os dados espectroscópicos e com os dados do telescópio de 6,5 metros do Observatório MMT no Arizona.

A extrema distância entre as duas estrelas foi confirmada por uma variedade de diferentes técnicas de estimativa, disseram os pesquisadores. ULAS J0744 +25 e ULAS J0015 +01 estão 50% mais longe do Sol do que qualquer outra estrela da Via Láctea ainda descoberta, disseram os pesquisadores. Na verdade, a famosa galáxia de Andrômeda está apenas a três vezes mais longe do que ULAS J0744 +25 e ULAS J0015 +01.

Mas o novo estudo, que foi publicado na semana passada na revista Astrophysical Journal Letters, fornece mais do que  apelo mirabolantes. Estes dados poderiam ajudar os astrônomos testarem alguns de seus modelos de formação e evolução da Via Láctea, disse os membros da equipe.

"Achamos que estas estrelas podem ser os membros mais brilhantes de alguns restos que sobraram da formação da Via Láctea", disse Bochanski. "Vamos precisar de mais observações para ter certeza disso, mas se houver um número significativo de estrelas no halo exterior, os nossos modelos terão de ser revistos." 

Fonte: Space.com 

......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter