Select Menu
» » » » » Nova pesquisa explica porque algumas pessoas não aceitam a Evolução
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

A teoria da evolução por seleção natural está entre a melhor e mais estabelecida da ciência, mas também entre as mais controversas em subconjuntos do público americano.


Durante décadas, soubemos que as crenças sobre evolução são bem previstas por fatores demográficos, tais como a educação religiosa e filiação política. Também há enorme variação na aceitação da evolução em países diferentes, o que sugere um papel importante para a entrada cultural na condução de crenças sobre a evolução. Um filho criado por budistas na Califórnia é muito mais propensos a aceitar a evolução do que um criado pelos protestantes evangélicos no Kansas.

Mas nos últimos 20 anos, pesquisas em psicologia e ciência cognitiva da religião concentrou-se cada vez mais um outro fator que contribui para a descrença evolutiva: os mecanismos muito cognitivos subjacentes a cognição humana.

Pesquisadores têm argumentado que uma variedade de tendências humanas básicas conspiram para fazer a seleção natural especialmente aversiva e difícil de entender e tornam o criacionismo uma alternativa atraente. Por exemplo, as pessoas tendem a preferir explicações que oferecem segurança e um senso de propósito quando se trata de suas vidas e a concepção do mundo natural e eles têm um tempo mais fácil envolvendo suas cabeças em torno de teorias que envolvem categorias biológicas com limites claros — todos os quais são desafiados pela seleção natural.

Esses fatores são normalmente tomados por todos os seres humanos, não só aqueles que rejeitam a evolução. Mas isso, naturalmente, levanta uma questão sobre o que diferencia os indivíduos que aceitam a evolução daqueles que não. Em outras palavras, se os budistas da Califórnia e os protestantes de Kansas compartilham os mesmos mecanismos cognitivos, o que responde por seus pontos de vista divergentes sobre evolução?

De fato, há evidências de que os indivíduos variam na extensão a que eles favorecem a finalidade e apresentam outras tendências cognitivas relevantes e que esta variação está relacionada com a crença religiosa — em si um forte preditor de uma crença evolutiva. Mas muito não sabemos sobre como diferenças entre indivíduos conduzem a diferentes crenças sobre evolução e sobre como estas diferenças individuais interagem com a cultura.

Um novo artigo escrito pelo psicólogo Will Gervais, acaba de publicar no jornal, cognição, lança nova luz sobre estas questões. Em duas pesquisas realizadas com centenas de estudantes frequentando uma grande universidade em Kentucky, Gervais encontrou uma associação entre o estilo cognitivo e crenças sobre evolução. Gervais usou uma tarefa comum para medir o grau em que as pessoas se envolvem em um estilo cognitivo mais intuitivo, que envolve julgamentos imediatos e intuitivos, em comparação com um estilo cognitivo mais analítico, que envolve deliberação mais explícita, e que muitas vezes pode substituir uma resposta intuitiva .

Em ambos os estudos, Gervais encontrou uma relação estatisticamente significativa entre a extensão à qual os indivíduos exibiram um estilo mais analítico e seu endosso da evolução. Importantemente, a relação permaneceu significativa, mesmo quando controlada para outras variáveis que predizem crenças evolutivas, incluindo a crença em Deus, educação religiosa e conservadorismo político.

O estudo também replicou o trabalho prévio e encontrou uma relação entre religiosidade e crenças evolutivas e entre o estilo cognitivo e descrença religiosas: os participantes com um estilo mais analítico não apenas eram mais propensos a aceitar a evolução, mas também  indicaram uma menor crença em Deus.

Esses achados são consistentes com pelo menos três possibilidades. A primeira — sugeriu o título inteligente do artigo do Gervais, "Substituindo o conflito" — é que todos os indivíduos têm uma tendência a rejeitar a evolução a nível intuitivo, mas que alguns indivíduos se envolvem em uma forma de pensamento analítico ou reflexivo que lhes permite "substituir" essa resposta intuitiva.

Uma segunda possibilidade é que alguns indivíduos têm respostas intuitivas mais fortes do que outros. Tais indivíduos são propensos a experimentar um puxão mais forte no sentido de pensar racional, uma maior aversão à incerteza e outras preferências cognitivas em desacordo com a evolução. Como suas respostas intuitivas são geralmente mais fortes, eles também são menos propensos a terem sucesso em substituir-las por intermédio do pensamento analítico ou reflexivo.

No entanto, uma terceira e interessante possibilidade de um encontro convincente — é que os efeitos de estilo cognitivo interagirem com entrada cultural. Criacionismo e crença em Deus podem ser "intuitivos" para muitos alunos de graduação de Kentucky não só porque essas crenças alinham bem com tendências humanas básicas, mas também porque estas são as crenças que cresceram com a cultura de suas comunidades. O que pode exigir o pensamento analítico e reflexivo (só) não é substituir sistemas cognitivos que governam a intuição, mas substituir as normas de uma educação.

Estas possibilidades não são mutuamente exclusivas nem exaustivas. O fato é, há muito que não sabemos, e a realidade é susceptível de ser complexa. Mas as novas descobertas por Gervais — e as conclusões que foram construídas a partir delas— já apontam para a riqueza da crença humana. Evolucionismo não é controverso por razões científicas, mas é controverso, em parte, por motivos psicológicos .

Compreender essas razões não só tem implicações práticas para a educação científica e política, mas também pode nos dizer algo sobre os blocos de construção básicos da mente — e sobre como elas interagem com o nosso ambiente social e cultural.

Para saber mais sobre Teoria da Evolução clique aqui.

Traduzido e adaptado de blog npr

......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter