Select Menu

_______________
» » » » » » O asteróide 2012 TC4 vai atingir a Terra em outubro de 2017?
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Em abril de 2015, em alguns noticiários, saiu a notícia de que um asteroide de 40 metros poderá atingir a Terra no próximo ano e novamente, neste fim de ano, a notícia, de algum modo, voltou a viralizar.  Mas, quão real é esta notícia? Quais são as chances deste asteroide atingir a Terra?


Em 12 de outubro de 2017, o asteroide 2012 TC4 está programado para sibilar perigosamente perto da Terra. A distância exata da sua aproximação máxima é incerta, bem como o seu tamanho. Com base em observações em outubro de 2012, quando a rocha espacial passou próximo do nosso planeta, os astrônomos estimam que seu tamanho pode variar de 12 a 40 metros. O meteoro que explodiu sobre a cidade russa de Chelyabinsk em fevereiro de 2013, ferindo 1.500 pessoas e danificando mais de 7.000 edifícios, tinha cerca de 20 metros de largura. Assim, o impacto de 2012 TC4 poderia ser ainda mais devastador. "É algo para ficarmos de olho" disse Judit Györgyey-Ries, astrônoma da Universidade de McDonald Observatory Texas ", ao astrowatch.net. "Nós poderíamos ver janelas quebradas, talvez, dependendo de onde ele bater."

O asteroide do tamanho de uma casa de tamanho foi descoberto em 04 de outubro de 2012 pelo observatório Pan-STARRS no Havaí. Uma semana mais tarde, ele deu a Terra um barbear mais rente quando passou pelo planeta a uma distância de 0,247 DL (distância lunar), ou 94.800 km. 2012 TC4 é um objeto alongado e de rotação rápida e é conhecido por fazer muitas abordagens próximas da Terra no passado. Agora, os cientistas tentam determinar o caminho exato de 2017 e a probabilidade de um eventual impacto. 

"Existe uma chance cumulativa de 0,00055% de que ele vai bater", disse Györgyey-Ries. "Uma vez que a MOID [distância mínima de intersecção de órbita] é de apenas 0,079 DL, isto sinaliza um possível impacto. No entanto, esta é apenas a menor distância possível entre as órbitas".

"Há uma chance em um milhão de que ele possa nos atingir", disse Detlef Koschny, chefe do segmento de Near-Earth Object (NEO) no escritório Space Situational Awareness do programa (SSA) da ESA, ao astrowatch.net. Ele também tentou estimar o tamanho exato do corpo celeste. "O tamanho foi estimado a partir do brilho, mas não sabemos a refletividade. Assim, ele poderia ser menor ou maior, entre 10 m para 40 m. Um objeto ferroso de 40 iria ultrapassar a atmosfera e fazer uma cratera; Um objeto de 10 m objeto rochoso dificilmente seria notado."

O Asteroide 2012 TC4 como visto pela equipe Remanzacco Observatório de Ernesto Guido, Giovanni Sostero, Nick Howes em 9 de outubro de 2012.

Makoto Yoshikawa da Agência de Exploração Aeroespacial Japonesa (JAXA), membro da Divisão de NEOs na União Astronômica Internacional (IAU) está convencido de que o asteroide não representa qualquer perigo para a Terra. "A distância é muito pequena. Mas esta distância não significa uma colisão", disse ele.

O NASA Asteroid Watch tem certeza de que não há chance deste asteroide bater o nosso planeta, mas Györgyey-Ries admite que mais observações sejam necessárias para mitigar as incertezas.

"Embora tenha uma grande incerteza ao longo da órbita, ela é muito menor do que a incerteza radial, por isso, apenas altera o tempo do sobrevoo mais próximo. Diria com base nisso, que não há nenhuma possibilidade de impacto em 2017, mas mais observações podem ajudar a reduzir as incertezas ", disse ela.

Koschny também está ciente da incerteza. A respeito do tamanho e das orbitas características do asteroide, ele indicou que "certos itens têm grandes incertezas, em particular: o tamanho." Ele observou que, se o for asteroide for rochoso e nos acertar, os efeitos seriam semelhantes ao impacto do Chelyabinsk.

Em abril de 2015, por exemplo, haviam 1572 asteroides potencialmente perigosos (PHA) detectados. Nenhum desses PHAs conhecidos está em rota de colisão com o nosso planeta, embora os astrônomos estejam encontrando novos deles o tempo todo.


Créditos: Phys

. . . ......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter