Select Menu
» » » » » » » Se vivemos em um multiverso, onde esses mundos estão se escondendo?
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Por algumas estimativas, o universo conhecido pode conter até 2 trilhões de galáxias, com uma taxa média de aproximadamente 100 milhões de estrelas e um número incontável de planetas em cada uma delas. Mas poderia haver várias cópias do universo como nós conhecemos?

O conceito de um multiverso - mundos que invisivelmente convivem ao nosso lado, talvez representando versões da realidade que são quase idênticos aos nossos próprios - é uma ideia difundida na ficção científica e que tem intrigada gerações de físicos, bem como criadores de fãs de ficção científica.

Embora os cientistas ainda precisem encontrar evidências de que existem multiversos, há uma série de hipóteses que usam as leis da física para explorar a possibilidade de universos múltiplos, às vezes desafiando a nossa compreensão da própria realidade no processo, disse Erin Macdonald, astrofísica e auto proclamada "uma grande lerda da sci-fi", durante um painel no sábado (17 de junho) no Future Con, um festival que destacou a intersecção entre a ciência, a tecnologia e ficção científica em Washington, DC.

Propaganda

Existe o nosso universo dentro do tecido do espaço-tempo - o espaço 3D combinado com o tempo, para criar um continuum 4D, explicou Macdonald, que agora é uma educadora da ciência no Museu Denver for Nature e Science. Mas os cientistas não podem dizer com certeza com o que o espaço-tempo se parece, o que significa que pode-se haver inúmeros universos que são invisíveis para nós, disse ela.

A versão mais simples do conceito de multiverso é o chamado universo espelho, em que um único universo alternativo está paralelo ao nosso, mas é também o seu oposto - como o episódio "Mirror, Mirror" da série original de televisão "Star Trek", em que um grupo de desembarque erroneamente viaja até uma versão diferente da Enterprise, ocupado por versões mais brutais de seus colegas de tripulação familiares.


Outra perspectiva sobre o multiuniverso é o universo brana , que descreve a nossa universo como uma membrana de uma vasta pilha, possivelmente infinito de universos de membrana, mas sem conexão ou meios para comunicar entre eles, o referido Macdonald.

Erin Macdonald no painel da Future Con intitulado "Teoria paralela e Multi-Universo em Sci-Fi". 
Crédito: M. Weisberger / Ciência Viva

Universos múltiplos podem também existir dentro de bolhas de espaço-tempo, um conceito explorado no vídeo game "BioShock Infinite". Por este cálculo, os habitantes de dois universos poderiam, teoricamente, interagir em suas "bolhas" conectando-se diretamente entre si, de acordo com Macdonald.

Universos quânticos aparecem mais comumente em sci-fi, disse Macdonald. Essa ideia sugere que cada decisão que uma pessoa faz gera uma nova linha do tempo, criando um universo novo e independente que segue um caminho diferente. Escritores de ficção científica que criam histórias de viagem no tempo com frequência invocam as regras de universos quânticos para explicar como os personagens podem viajar para o passado e não apagarem sua própria existência - cada escolha sua faz nascer novos universos inteiramente, deixando o seu universo de origem intacto.

Mas talvez a premissa mais perturbadora de tudo isso é se o universo que percebemos como real for, na verdade, uma simulação de algum tipo, como no filme "The Matrix".

"Você quer saber se você fosse uma simulação e não tivesse controle algum? Poderíamos testar se estivéssemos em uma simulação e fôssemos todos apenas códigos?" Macdonald perguntou à platéia. Por agora, muitas perguntas permanecem sem resposta - sobre universos múltiplos e a realidade do nosso próprio, disse ela.

"Nenhum deles pode ser testados - mas eles são divertidos para pensar", disse Macdonald.

Artigo original no LiveScience.

. . . ......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter