Select Menu
» » » » » » » » » A Ciência de 'Interstellar': Buracos Negros, buracos de minhoca e viagem espacial
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga

Para alguns, o épico filme de ficção científica "Interstellar"  é apenas um filme, mas para os Nerd's e Geeks de plantão, ele é muito mais que isso.

Interstellar ", que estreou no Brasil dia 06 de novembro de 2014, adentra em temas como buracos negros e buracos de minhoca e planetas alienígenas. O filme, aparentemente, leva sua ciência a sério; disse o renomado físico teórico Kip Thorne, que trabalhou como assessor e produtor executivo de "Interstellar".

Veja conosco alguns dos conceitos da ciência espacial que desempenham papéis-chave no filme, que foi dirigido por Christopher Nolan e estrelado por Matthew McConaughey, Anne Hathaway, Jessica Chastain e Michael Caine. Cuidado: alguns spoilers!

"Interstellar" está definido em algum ponto nebuloso em um futuro não muito distante, quando as falhas globais de culturas ameaçam a humanidade de extinção. Assim, um pequeno grupo de exploradores, liderados por um piloto fazendeiro chamado Cooper (McConaughey), procurarão um exoplaneta que poderia servir como um novo lar para a raça humana.

Os astronautas são auxiliados em sua busca por um buraco de minhoca - uma espécie de túnel que permite relativamente uma rápida viagem entre as partes amplamente separadas do universo - que, no filme, tinha misteriosamente aparecido perto de Saturno alguns anos antesCooper pilota a nave protótipo, chamada de  Resistência e através do buraco de minhoca, chega a um planeta de uma galáxia distante.

Embora buracos de minhoca parecem ser sci-fi demais, ninguém sabe ou não se eles realmente existem. Segundo a teoria da relatividade geral de Einstein, eles são possíveis, mas nenhum sinal deles jamais foi visto.

Além disso, dizem os cientistas, um buraco de minhoca, provavelmente, se colapsariam rapidamente, a menos que fosse mantenha aberta usando algum tipo de matéria-energia negativaAssim,o grande buraco de minhoca em "Interstellar" exigiria um trabalho de engenharia sério e exótico - mas vamos parar por aqui se não contaremos o filme todo! 

A equipe utilizou equações "interestelares" de efeitos visuais fornecidas por Thorne para chegar a sua representação do buraco de minhoca, descrevendo a sua entrada como uma esfera brilhante - tal como ele provavelmente seria visível na vida real, disse Thorne.

"Nem os buracos de minhoca, nem buracos negros foram retratados em qualquer filme de Hollywood na maneira que eles realmente  deveriam aparecer" disse Thorne, em um vídeo produzido pela revista  revista Wired . "Esta é a primeira vez que a representação em vídeo bate com a relatividade geral de Einstein. 

Um lindo Buraco Negro



O buraco negro supermassivo "Gargantua"

Grande parte da ação em "Interstellar" gira em torno de um gigante buraco negro , que Cooper e seus colegas de tripulação chamam de "Gargantua". Thorne disse que ele e equipe de efeitos visuais tomaram uma grande cuidado para retratar o monstro devorando a luz com extrema precisão.

O resultado na tela é um objeto exótico que torce o disco de poeira e gás em queda, e com direito a um efeito de lentes gravitacionais - um fenômeno astronômico real em que um objeto em primeiro plano massivo (como um buraco negro) distorce a luz emitida por estrelas localizadas ao longe.

A colaboração entre Thorne e as "interestelares" editores de efeitos visuais foi tão bem sucedida que vai se estender para a literatura científica, disse o físico.

"Estaremos escrevendo vários artigos técnicos sobre este - alguns dirigidos à comunidade astrofísica e outros dirigidos à comunidade em computação gráfica. 'Aqui estão algumas coisas que descobrimos sobre lentes gravitacional quando giramos rapidamente buracos negros." Disse Thorne.

Um espetáculo visual

Os astronautas provavelmente seriam morto pela radiação energética jogada para fora pelo disco superquente de material circulando Gargantua, disse Roberto Trotta, um astrofísico do Imperial College de Londres, em um artigo para o jornal britânico The Guardian. Ou eles seriam "espaguetificados" pela intensa força gravitacional,  que seria muito mais forte numa extremidade do corpo do que o outro, adicionou Trotta.

E isso não é a única questão. Os astronautas pousaram em um mundo que orbita muito perto de Gargantua - tão perto que, como o filme mostra, para cada hora gasta na superfície do exoplaneta, sete anos decorreriam na Terra. Tal "dilatação do tempo", de fato, ocorre na presença de campos gravitacionais, mas não há nenhuma maneira que isso pudesse acontecer dessa forma extrema, de acordo com Trotta.

"Você precisaria de um forte campo gravitacional. Feito isso, você precisa estar perto do que é chamado de raio de Schwarzschild - essencialmente o horizonte de eventos de um buraco negro". (O horizonte de eventos é o ponto além do qual nada, nem mesmo a luz, pode escapar das garras de um buraco negro.) "Não há simplesmente nenhum planeta que possa ter este tipo de gravidade, e se você tentou pousar na superfície, a gravidade seria tão forte que iria esmagá-lo. Os números simplesmente não funcionam ".


Na verdade, um planeta tão perto de um buraco negro não poderia mesmo existir, observou Trotta: Forças de maré geradas pela imensa gravidade do buraco negro iria rasgar o planeta distante.



Esses detalhes vão irritar alguns espectadores, enquanto outras pessoas não vão se importar e suspenderão a descrença. Mas a maioria das pessoas que vêem "Interstellar" provavelmente vai concordar que é um espetáculo visual deslumbrante.

Um dos planetas alienígenas retratados no filme, por exemplo, é um mundo de água com ondas gigantescas misteriosas, enquanto o outro é um reino frígido cujas nuvens são congeladas. Estes mundos são maravilhosamente prestativos nas muitas sequências de voo espacial ao longo do filme.

As naves espaciais em "Interstellar" são também muito bem concebidas e desenhadas. A Resistência é um veículo em forma de anel que consiste em 12 módulos boxy, alguns dos quais podem ser transportados para a superfície de um exoplaneta para configurar uma base. A nave-mãe carrega dois "landers" para realizar este trabalho, bem como dois "Rangers", mais ágeis no qual a tripulação usa para a exploração planetária.

Outro detalhe do filme é que o  Endurance gira 5,6 vezes por minuto para gerar a gravidade da Terra para quem está a  bordo da nave.

Assista aqui o Trailler do filme

Fonte: Space.com

......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter