Select Menu
» » » Planeta Terra pode estar passando pela sexta extinção em massa
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga



Os seres humanos estão matando espécies milhares  mais rápido do que a natureza possa criá-las.

A taxa moderna de extinção entre as espécies é 1.000 vezes maior do que a taxa de fundo antes de os seres humanos começassem alterando o mundo a milhares de vezes mais rápido do que a criação de novas espécies, de acordo com um recente estudo na revista Conservation Biology. Os resultados ecoam e expandem a pesquisa anterior, publicada na revista Science, que também sugeriu que os seres humanos estão a beira de causar uma sexta extinção em massa na Terra.

"Agora sabemos ao certo quão rapidamente as espécies estão sendo extintas", disse Stuart Pimm, ecologista da Duke University e presidente do grupo sem fins lucrativos de conservação e salvamento de espécies.

Para colocá-lo em termos concretos, sem as atividades humanas, o planeta deveria perder uma espécie de ave apenas uma vez a cada mil anos mas, na realidade, pelo menos 150 espécies de aves foram extintas só nos últimos 500 anos, de acordo com a parceria conservação International BirdLife.

Extinção em massa?

O novo trabalho, que faz parte da mesma iniciativa de pesquisa que foi a base do trabalho publicado na Science em maio de 2014 é a última peça em um projeto de cinco anos para entender quantas espécies existem, quantos são desconhecidas e quão rápido elas vão ser extintas, disse Pimm.

"Obter as taxas de extinção agora é bastante simples", disse ele."Você basicamente está olhando para obituários."

O passado, no entanto, é mais difícil de iluminar. Fósseis podem traçar a história de algumas diversificações e extinções, mas preservar animais marinhos na sua maioria, em vez de animais terrestres, e fazê-lo em um registro irregular. O número total de espécies é mais uma pista, uma vez que pode revelar o quão rápido as espécies diversificam-se.

"Você não precisa de muita informação para isso. O primeiro pássaro foi Archaeopteryx , e agora temos 10 mil espécies de aves, para que possa fazer um levantamento do quão rápido as novas espécies de aves são criadas ", disse Pimm. Archaeopteryx é considerado uma espécie de transição entre dinossauros e aves.

Mas os dados de diversificação não revelam toda a história. Espécies podem estar sendo extintas continuamente, mas ainda poderiam tornar-se mais diversificadas se a formação de espécies acontecer com mais freqüência do que a extinção .

Pimm, junto com o principal autor Jurriaan de Vos, da Universidade de Brown e seus colegas, voltaram-se para os dados de DNA para preencher as lacunas.

Usando filogenias moleculares - árvores genealógicas criadAs por uma comparação de DNA entre as espécies - os pesquisadores acompanharam como as espécies nascem e morrem com o tempo. Esta é a primeira vez que as três fontes de informação, a partir de fósseis para a diversificação de filogenia molecular, foram colocadas juntas, disse Pimm.

Diversificação contra extinção

Os resultados foram preocupantes: as espécies estão "vivendo rápido e morrendo jovem", que é um duro golpe para a biodiversidade, disse Pimm. Não há colisão na diversificação para compensar o ritmo acelerado de extinção, disse ele.

"A ideia é que perto da atualidade, apenas nos últimos 100 mil anos dos últimos milhões de anos, deveria haver um aumento no número de espécies, pois elas não tiveram a chance de serem extintas ainda", disse Pimm.

O estudo também constatou que a taxa de extinção de fundo deve ser de cerca de uma espécie por 10 milhões anualmente. Hoje em dia, entre 100 e 1.000 espécies por milhão desaparecem por ano. Enquanto isso, novas espécies passam a existir em uma taxa de 0,05 e 0,2 partes por milhão por ano.

"É como a morte e os impostos", disse Pimm. "Eles podem ser inevitáveis, mas você não quer que eles sejam muito altos ou venham muito cedo."

O novo e esclarecedor entendimento do escopo do problema irá alimentar as estratégias para reduzir as extinções, disse Pimm. "Queremos continuar com essa coisa de salvar a biodiversidade ", disse ele.

......................

Autor Felipe Sérvulo

Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229
«
Proxima
Postagem mais recente
»
Anterior
Postagem mais antiga
Comentários
0 Comentários

Newsletter